Amigos! Eis aqui o dos olhos de mel! O Poeta!
.MJoão Sousa

Cria o teu cartão de visita
Sábado, 27 de Dezembro de 2008
ANTÓNIO DE SOUSA (1898 - 1981) - CONTINUAÇÃO

(Outros títulos para além dos já apontados "Caminhos", 1933; "Sete Luas", 1943; "O Náufrago Perfeito", 1944; "Jangada", 1946; "Livro de Bordo", 1950; "Linha de Terra", 1951; "Terra ao Mar", 1954). A consciência da pluralidade e da conflitualidade do Eu, do que há neste de "novelo de vidas", de irresolvidas contradições, é um outro sinal claro da sua integração no Modernismo. a toldar essa consciência avolumam-se na sua poesia noções de culpa e pecado, muito intimamente ligadas à sua vivência do Cristianismo, não menos dramática do que a dum Régio ou de um Torga pela circunstãncia de ter por detrás de si a adesão a uma prática religiosa definida, a protestante. Esse dramatismo, acompanhado frequentemente por um gosto pelo traço deformante, autoriza a que, a propósito da sua poesia, se possa falar de expressionismo, comum, de resto, a grande parte dos presencistas, e cujo imaginário lhes chegou mais por via das artes plásticas e do cinema do que através da literatura expressionista de língua alemã. A este respeito valeria a pena transcrever na íntegra um dos seus mais conhecidos poemas, "A Derradeira Morte do Encantado" em que também não deixa de aflorar aquela "ironia lírica" a que o próprio António de Sousa se refere num dos seus poemas:

"O senhor-dos-óculos-pretos disse: Morreu!/ Mas aquela rapariga meia-maluca/ fez-lhe uma coroa de flores/ e beijou-o devagar./ Ele estava deitado , voltado para o céu/ vivo ou morto - a sonhar.// Passou um dia enorme./ O senhor-dos-óculos-pretos

disse: Cheira mal!/ (As abelhas bem sabiam que não/ e diziam baixinho: - Dorme... - poisadas sobre o seu coração).// O senhor-dos-óculos-pretos disse: À cova!/ Mas nem os coveiros ouviram./ A chuva mansa lavou-lhe o rosto,/ e colou-se-lhe ao corpo a lua-nova,/ depois da benção do sol-posto.// (Do senhor-dos-óculos-pretos ninguém sabe./ Mas ele para sempre ali ficou/ a dormir e a sonhar, com o mesmo sorriso./ - Há tanta coisa que não cabe/ senão no Dia do Juízo!...)"

 

Bibliografia: LOPES, Óscar, "António de Sousa", in Entre Fialho e Nemésio. Estudos de Literatura Portuguesa Contemporânea II, Lisboa IN-CM, 1987, MOURÃO-FERREIRA, David, "Sobre o itinerário de António de Sousa", in Presença da "presença", Poro, Brasília Editora, 1977, NEMÉSIO, Vitorino, "Poesia e Humor", in Conhecimento da Poesia, 3ª ed., Lisboa, IN-CM, 1997.

 

DICIONÁRIO DE FERNANDO PESSOA E DO MODERNISMO PORTUGUÊS,

 

CAMINHO

 

Coordenação

 

FERNANDO CABRAL MARTINS

 

Verbete do Professor Doutor

 

Fernando J. B. Martinho

 

 

AGRADECIMENTO:

 

Estou - mesmo - sem palavras para agradecer a todos os que directa ou indirectamente, com ou sem o meu conhecimento, colaboraram na concretização deste sonho e tornaram possível

o "REGRESSO DO ENCANTADO".

Muito e muito obrigada!

 

Maria João - poeta porque Deus quer


sinto-me:

publicado por poetaporkedeusker às 15:24
link do post | COMENTE, POR FAVOR... | favorito
|

8 comentários:
De Fisga a 28 de Dezembro de 2008 às 16:57
Olá Amiga Maria João. Que belo post . e que bela homenagem. És uma heroína da escrita. e do saber.
Parabéns. Um abraço Eduardo.


De poetaporkedeusker a 28 de Dezembro de 2008 às 22:31
Espera, amigo. Este post é só uma transcrição das palavras o Professor Fernando Martinho, que me deu a honra de o conhecer na cerimónia do lançamento. Não fui eu que escrevi senão essas palavrinhas no final!


De Fisga a 29 de Dezembro de 2008 às 11:21
Olha Amiga, se foste tu ou não eis a questão, mas a ideia de postar foi tua, e aí é que foi prestada a homenagem por inteiro. Vá lá deixa-me ganhar a bicicleta. Olha amiga que tenhas tudo o que mereces que a vida te dê, porque tu és uma guerreira na tua guerra, e mereces a vitória. Um Abraço Eduardo.


De poetaporkedeusker a 29 de Dezembro de 2008 às 15:18
Bem... se calhar tens razão! Eu devo ser mesmo guerreira para ainda "mexer" apesar destes apesares todos... leva a bicicleta, pois! Esta postagem foi muito simbólica para mim, sabes? Que melhor presente de Natal e aniversário lhe poderia eu dar?
Abraço grande!


De Fisga a 30 de Dezembro de 2008 às 11:41
O melhor presente é e será sempre, a homenagem que lhe prestas com prazer. Honrando a sua memória.
Um abraço e tudo de bom para ti amiga. Eduardo.


De poetaporkedeusker a 30 de Dezembro de 2008 às 23:12
Eu também sinto isso, amigo. Sinto mesmo.


De Fisga a 31 de Dezembro de 2008 às 17:27
Olá Maria João. E que melhor homenagem tu lhes poderias fazer? eu acho que não há melhor. Um abraço e tudo de bom. Eduardo.


De poetaporkedeusker a 31 de Dezembro de 2008 às 21:10
Abraço, Eduardo! Entra a sorrir!


Comentar post

mais sobre mim
passando as folhas do livro...
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

COLECTÂNEA FÉNIX -

DUALIDADE

FLOR DO CÉU

ANTÓNIO DE SOUSA E NATÁLI...

Colectânea António de Sou...

arquivos

Outubro 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Junho 2014

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

tags

todas as tags

favoritos

CONVERSANDO COM MARIA DA ...

É a arte, solidão?

SO(LAS)

“A Linha de Cascais Está ...

CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

Our story in 2 minutes

«A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

Novidades a 13 de Dezembr...

LIMPAR PORTUGAL

Ler dos outros... (cróni...

links
as minhas memórias
subscrever feeds