Amigos! Eis aqui o dos olhos de mel! O Poeta!
.MJoão Sousa

Cria o teu cartão de visita
Domingo, 1 de Fevereiro de 2009
CAMINHOS

Caminhos desertos

da noite calada,

caminhos incertos

da minha morada.

 

Caminhos sòzinhos

das minhas quimeras,

com aves e ninhos

e rastros de feras!

 

Caminhos sem norte,

caminhos de encanto,

com cruzs de morte

e passos de santo!

 

Caminhos de um nome

que um anjo perdeu!

Areias da fome!

Oásis do Céu!

 

Caminhos perdidos

na serra e no val`

com frutos caídos

do Bem e do Mal!

 

Caminhos regados

com prantos de dor;

caminhos juncados

de beijos de amor...

 

Estradas sem leito,

profundas barrancas

e curvas a jeito

de seios e ancas!

 

Caminhos cruzados

- Imensos rosários -,

caminhos gelados

de estranhos calvários!

 

Caminhos abertos

a golpes, com ferros;

caminhos cobertos

de crimes e erros!

 

Caminhos perdidos

sem rumo e sem fim...

- Que cinco sentidos

me deram a mim!

 

 

 

In Caminhos, Lisboa, 1933

 

Imagem retirada da internet

 

 


sinto-me:

publicado por poetaporkedeusker às 01:22
link do post | COMENTE, POR FAVOR... | favorito
|

8 comentários:
De cateespero a 1 de Fevereiro de 2009 às 12:16
Olá M. João!
Mais uma caminhada,por este belo templo de poesia... Tenha um bom Domingo! Abraço apertado! António


De poetaporkedeusker a 1 de Fevereiro de 2009 às 15:03
Olá meu amigo! Estou a ter um Domingo trabalhoso... espero que o seu seja melhor. Ontem ia ficando sem marquises... moro no último andar que fica numa zona particularmente ventosa...
Um abraço.


De Velucia a 1 de Fevereiro de 2009 às 13:35
Oi Maria

Este poema de seu avô ´é muito lindo e muito real.
Desculpe algo que postei no meu blog
Mas algo estranho aconteceu entre o seu e o meu blog
Veja lá

Abraço.


De poetaporkedeusker a 1 de Fevereiro de 2009 às 15:04
Obrigada Velucia. Vou já ver!


De Fisga a 3 de Fevereiro de 2009 às 11:47
Olá amiga João. Eu tenho andado afastado, porque nem tudo corre como nós ás vezes queremos. Tive um grande prazer em ler e adicionar mais este soneto, presumo que do teu Avô ou do teu ai? Não importa, é Um, belíssimo poema, Parabéns. Um abraço Eduardo.


De poetaporkedeusker a 3 de Fevereiro de 2009 às 12:26
É do meu avô, amigo. Data de 1933 e é o poema introdutório d livro "Caminhos". Obrigada por teres adicionado.
Abraço grande.


De Fisga a 3 de Fevereiro de 2009 às 18:41
Olá amiga Maria João. Não tens que agradecer, eu adicionei, porque achei o máximo, na minha forma de entender a poesia. Um abraço Eduardo.



De poetaporkedeusker a 3 de Fevereiro de 2009 às 21:52
:) ! Abraço.


Comentar post

mais sobre mim
passando as folhas do livro...
 
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

DUALIDADE

FLOR DO CÉU

ANTÓNIO DE SOUSA E NATÁLI...

Colectânea António de Sou...

NA PARTIDA DO POETA

arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Junho 2014

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

tags

todas as tags

favoritos

CONVERSANDO COM MARIA DA ...

É a arte, solidão?

SO(LAS)

“A Linha de Cascais Está ...

CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

Our story in 2 minutes

«A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

Novidades a 13 de Dezembr...

LIMPAR PORTUGAL

Ler dos outros... (cróni...

links
as minhas memórias
subscrever feeds