Amigos! Eis aqui o dos olhos de mel! O Poeta!
.MJoão Sousa

Cria o teu cartão de visita
Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2008
ACORDES

Quando a estrela começou a cantar

já ele tinha cabelos brancos,

o lábio duro e as unhadas do tempo

na cera fria da face.

.

Uma canção angélica, de paz,

verde como essa luz do amor primeiro.

Embebia-se dela a noite mansa

e tudo esperava uma revelação.

.

Ele ouvia-a pelo ouvido direito

(ao esquerdo um mar de trevas cachoava)

guardando os olhos moles - moles moluscos -

nas pápebras cerradas.

.

Quando a estrela começou a cantar

já era ao pobre o coração de ferro.

Mas os dedos subtis da melodia

abriram nele uma flor de luar...

.

In - Livro de Bordo - 1ª edição, 1950

Editorial Inquérito

.


sinto-me:

publicado por poetaporkedeusker às 12:00
link do post | COMENTE, POR FAVOR... | favorito
|

mais sobre mim
passando as folhas do livro...
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

COLECTÂNEA FÉNIX -

DUALIDADE

FLOR DO CÉU

ANTÓNIO DE SOUSA E NATÁLI...

Colectânea António de Sou...

arquivos

Outubro 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Junho 2014

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

tags

todas as tags

favoritos

CONVERSANDO COM MARIA DA ...

É a arte, solidão?

SO(LAS)

“A Linha de Cascais Está ...

CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

Our story in 2 minutes

«A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

Novidades a 13 de Dezembr...

LIMPAR PORTUGAL

Ler dos outros... (cróni...

links
as minhas memórias
subscrever feeds