Amigos! Eis aqui o dos olhos de mel! O Poeta!
.MJoão Sousa

Cria o teu cartão de visita

Sábado, 21 de Março de 2009
NO DIA MUNDIAL DA POESIA, ACERCA DE ANTONIO DE SOUSA

A poesia, na nossa terra,atira para o campo da estreia com algumas dezenas de nomes, durante o ano. Uns prometem ser alguém; outros escapam pela tangente; outros, ainda, são uma verdadeira calamidade.De quando em quando, no meio desse número de principiantes, aparece um veterano, daqueles que já entraram ou estão quase a entrar para o caminho da consagração. Estes passam e tornam-se imediatamente notados, como é de calcular. É assim, a modos de quando desfila um regimento, aqui e além, aparecer, destacado, um oficial. E como com esses oficiais acontece, as patentes são diversas. mais altas e mais baixas. Sucedeu isso mais uma vez, agora. depois de terem passado vários desconhecidos, surge um nome que de há muito soube tomar o preciso relevo. refiro-me a António de Sousa, um poeta que se impõe pela obra já publicada e que mais se eleva com este novo livro "Linha de Terra", hásemanas posto à venda, com uma capa desenhada por Manuel Ribeiro de Pavia.

Continuando dentro da sua costumada maneira de ser, António de Sousa, andando, como sempre, encostado ao seu curiosíssimo bordão de "Modernista", sem contudo se embrenhar demasiado em em nebulosidades escusadas, apresenta temas de forma a que, quem os leia, não sinta hesitações perante a belea e a emoção que encerram.

O autor prossegue a ua viagem de inquietante "nauta" que se encontra na sua "Ilha Deserta", se engrandece enquanto "Náufrago Perfeito", soube singrar, sem escolhos, na "Jangada" e nos deu notícias da sua intranquila viagem no "Livro de Bordo", conhecedor da arte de bem conduzir a nau da sua inspiração, velas erguidas para oceanos de longínquo sonho:

 

"Trouxe o navio a querena

a esta praia pequena..."

 

Como ele próprio nos diz no introito deste seu livro.

Praia pequena, segundo me parece, quer dizer que são poucos os poemas que, neste volume, agora nos dá, mas grande na sua intenção, na emotividade, na ânsia que alcança, que conduz a outras praias, sempre no mesmo intenso e dominador gesto de "perfeito timoneiro".

(continua)

 

In "A República" , artigo não assinado, datado de 15 de Fevereiro de 1952.


sinto-me:

publicado por poetaporkedeusker às 14:38
link do post | COMENTE, POR FAVOR... | ver comentários (16) | favorito
|

mais sobre mim
passando as folhas do livro...
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

NO DIA MUNDIAL DA POESIA,...

arquivos

Outubro 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Junho 2014

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

tags

todas as tags

favoritos

CONVERSANDO COM MARIA DA ...

É a arte, solidão?

SO(LAS)

“A Linha de Cascais Está ...

CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

Our story in 2 minutes

«A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

Novidades a 13 de Dezembr...

LIMPAR PORTUGAL

Ler dos outros... (cróni...

links
as minhas memórias
subscrever feeds