Amigos! Eis aqui o dos olhos de mel! O Poeta!
.MJoão Sousa

Cria o teu cartão de visita

Sexta-feira, 21 de Novembro de 2008
ESCALA

Ó rio de monte a monte,

vais ao mar que não conheces!

olha a areia ali defronte,

a pedir que não te apresses!

 

Destino dos desafios

ilusos, passada a rede,

ó mar que bebes dos rios,

onde acaba a tua sede?

 

Rios e mar, todos juntos,

chora o meu canto em bemóis.

São sempre sonhos defuntos

as pescas dos meus anzóis.

 

Cá vou no barco das horas,

a bandeira a meia adriça.

Tudo me serve a demoras,

que eu viajo por preguiça.

 

Dobro-me em medidos pobres

e à flor das águas me escuta

o deus-dos-pecados-pobres.

(A morte quer-me sem luta)

 

 

In "Linha de Terra", Lisboa, 1951


sinto-me:

publicado por poetaporkedeusker às 22:06
link do post | COMENTE, POR FAVOR... | ver comentários (10) | favorito

Quinta-feira, 13 de Novembro de 2008
REFLUXO

Esta vaga magia de ser triste

é o azeite que ponho na candeia,

o fermento do pão da minha ceia,

meu sorriso que dói mas não desiste.

 

Tantos me julgam fáci na alegria

e eu, de mim, sou a noite de um segredo!

O meu amor é a tremer de medo

desse Amor que, decerto, me sabia.

 

Amo a graça longínqua das estrelas,

o fluido fantasmático da bruma

e o longo adeus marítimo das velas.

 

Onda que ao largo se perdeu da praia,

vou-me disperso em lágrimas, espuma,

e talvez neste enrêdo vos distraia...

 

 

In - "Linha de Terra", Editorial Inquérito, 1951

 

Desenho de Manuel Ribeiro de Pavia

 

NOTA - Este é o meu preferido, de todos os sonetos de           

             António de Sousa e também o que melhor o de-

              fine, na minha opinião.

 

 

 


sinto-me:

publicado por poetaporkedeusker às 23:56
link do post | COMENTE, POR FAVOR... | ver comentários (10) | favorito

Sexta-feira, 7 de Março de 2008
ESQUEMA

ASA - Mas não de perto,

que de perto não vôo,

vou de rastos.

Anjo deserto,

são as asas, primeiro, que me rôo

ao silêncio dos astros.

.

(Quanto pode esta fome de viver

que de mim se sustenta e me sustém!

Tudo o que é não-morrer

me sabe bem).

.

In - LINHA DE TERRA

Editorial Inquérito - 1952


sinto-me: em auto-punição subjacente

publicado por poetaporkedeusker às 17:14
link do post | COMENTE, POR FAVOR... | ver comentários (11) | favorito

mais sobre mim
passando as folhas do livro...
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

ESCALA

REFLUXO

ESQUEMA

arquivos

Outubro 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Junho 2014

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

tags

todas as tags

favoritos

Pai

À luz da lua

GLOSANDO A POETISA MARIA...

CONVERSANDO COM MARIA DA ...

É a arte, solidão?

SO(LAS)

“A Linha de Cascais Está ...

CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

Our story in 2 minutes

«A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

links
subscrever feeds